terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Tédio e quinze minutos de fama

Andy Warhol e Pelé em Nova York nos anos 70: celebridades não tão efêmeras


O fenômeno Luiza no Canadá nos dá uma pequena noção do que é o mundo que estamos vivendo e como vai ser nos próximos trinta anos. Luiza tornou-se uma celebridade instantânea, em função de um comercial regional da TV, confirmando a profecia do artista plástico Andy Warhol de que no futuro todos seríamos famosos por quinze minutos. A visão profética de Warhol aconteceu no final dos anos 60 e até hoje é sempre lembrada quando coisas assim aparecem nos meios de comunicação. Como acontece também com o BBB, as massas se deliciam, pois têm a sensação artificial de que estão fazendo parte dessa coisa; os artistas dão risadas, os intelectuais se irritam, os desinformados ficam abobados e completamente perdidos nas conversas; e assim o factóide rapidamente vai se espalhando como uma praga informacional.

Esse é o nosso mundo, realidade intensamente vivida por pessoas de todas as idades nas redes sociais da internet. Não vale a pena se irritar, espernear, xingar nem fazer discursos suspeitos de apologia da inteligência. Isso só vai demonstrar a nossa insegurança e incapacidade de lidar com o fenômeno; e de quebra vamos ser chamados pejorativamente de “dinossauros da Era do Texto Plano”, de uma época em que gastar papel e tinta era sinônimo de superioridade mental. As coisas não são mais como eram e vão piorar para quem ficar de boca aberta esperando trem bala passar. Muitos de nós, da Era Industrial do século passado, podemos nos pós-modernizar e nos adaptar à uma boa parte dessas mudanças. Isso não significa ficarmos “ultra moderninhos” e , da noite para o dia tentar fazer tudo aquilo que as gerações y e z estão fazendo com os pés nas costas.

Voltando ao assunto, agora Luiza está no Brasil e tenta prolongar o prazer da fama por mais quinze minutos, metaforicamente falando. Se conseguir, será uma proeza, pois tudo indica que cairá no ostracismo assim que surgirem outros fenômenos para combater o tédio social e a falta de perspectiva que todos estão vivendo. Se isso persistir, vai acontecer outra coisa interessante e que já ocorreu em outras épocas: vamos voltar ao passado, numa nova onda de nostalgia, para suprir essa insuportável convivência com o presente e a incapacidade de visualizar o futuro.

Que época antiga iremos cultivar? Os anos 80 e 90? Ou vamos voltar ao século 19, quando toda essa crise começou, enchendo as morgues de desencantados e suicidas?

Outra solução naquele tempo foram as guerras, cuja moda avançou no século 20, sacudindo com cem milhões de mortos o mundo tomado pela mesmice dos sistemas.

Uma dúvida cruel como essa só tem um remédio: ler um bom livro, nem que seja esse sobre o Steve Jobs.


Morgue de Paris em 1867: atração para o turismo de massa


segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Ainda sobre as mortes prematuras

A propósito do assunto mortes prematuras, lemos e reproduzimos a notícia sobre a morte da menina paquistanesa que se tornou símbolo das obras sociais da Microsoft:


"Arifa Karim Randhawa, que ficou famosa quando se tornou com somente nove anos na pessoa mais jovem a obter um certificado profissional da Microsoft, morreu em um centro médico da cidade oriental de Lahore.

A menor, que segundo fontes hospitalares tinha 14 anos, sofreu um infarto no dia 22 de dezembro e os médicos se mostraram muito pessimistas com a previsão médica, embora a família ainda tivesse esperanças de que sobrevivesse.

"Estamos chorando sua perda mas era uma menina muito forte. Era um presente de Deus e agora ela voltou para Ele", disse ao "Express" um tio da menina prodígio, Ahsan Randhawa.

A especialista em informática será enterrada perto da cidade de Faisalabad, na província oriental de Punjab, da qual é originária.

Depois que Arifa conseguiu o diploma profissional da Microsoft, um assombrado Bill Gates a convidou para visitar a sede de sua companhia e tirar fotos com ele.

De família humilde, a menor, que obrigou seu pai a comprar-lhe um computador quando tinha apenas cinco anos, era uma inspiração para o Paquistão, um país com sérios problemas políticos, econômicos e de segurança, e seu caso despertou uma onda de solidariedade".

EFE/ IG

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Semelhantes e semelhanças

O crack está literalmente quebrando as nossas fibras e pernas. É um caminho bem rápido e doloroso para o suicídio, no qual as vítimas têm poucas chances de atender aos chamados do instinto de conservação. Acabam, cedo ou tarde, se precipitando no abismo da morte trágica.

Como muitas outras instituições e grupos de ajuda, o Hospital Francisca Júlia – do Centro de Valorização da Vida, recebe constantemente alguns desses dependentes químicos, que para nós nada mais são do que pessoas portadoras de transtornos mentais. A maioria, mesmo passando pelo período de tratamento, por serem detentoras do livre arbítrio, fraqueja nas escolhas e cede ao desejo de voltar ao hábito vicioso. É uma decepção para todos: familiares, profissionais de saúde e principalmente eles mesmos. Quando isso acontece, a auto-estima desaparece quase que completamente dificultando qualquer tipo de dialogo e reflexão. Resta então confiar no tempo e numa remota esperança de reação.

A fotografia publicada na imprensa mostra a luta entre a lei e a transgressão, reflexo de uma medida governamental para limpar a área conhecida como Cracolândia, na capital paulista. Trata-se de um ponto de encontro para onde convergem dependentes químicos não só de São Paulo, mas também de cidades da região e até do litoral.

Seguindo a lei sociológica das minorias, esses dependentes se assemelham, se atraem, se agrupam e passam a criar as próprias regras de convívio e sobrevivência. Essa lei natural tem o poder de protegê-los pelo processo de adaptação. É uma cura provisória, para evitar a morte imediata. O poder público conhece essa lógica social e psíquica e toma as providências reconhecidamente paliativas, ou seja, não é garantia de que as coisas irão mudar. Juntamente com limpeza da área e a oferta de tratamento deveriam vir soluções de reinserção social, mais eficientes, porém muito onerosas.

Todos que ali estão, mesmo que afundados nessa realidade escravizadora, ainda possuem algum lampejo de dignidade e não somente a idéia fixa de satisfazer a fissura de consumo. São seres humanos que se tornaram “trapos ” e que desafiam a nossa dignidade enquanto espécie e gênero.