terça-feira, 20 de janeiro de 2015

YVONE PEREIRA - CAMILO CASTELO BRANCO E O DR. CARLOS IMBASSAY



Comentando uma postagem sobre os 30 anos do desencarne da médium Yvone do Amaral Pereira, publicada numa página do Facebook,o amigo Carlos Imbassahy (filho do Dr. Carlos, saudoso escritor e ativista espírita), fez o seguinte comentário sobre Yvone: “Ela foi muito ingrata com meu pai, bajulando a FEB”. Curioso com o conteúdo do comentário, não resistimos em provocar um diálogo com o amigo para esclarecer os motivos daquela reação. Carlos respondeu prontamente os questionamentos revelando informações desconhecidas pela grande maioria dos espíritas sobre a médium e sua obra Memórias de um Suicida.

Observador Espírita
Ela sempre me pareceu uma pessoa cautelosa no trato com a doutrina, reprimindo inclusive suas potencialidades para não entrar em confronto com as entidades federativas e com outros médiuns de destaque. Como sou muito ligado ao CVV, trabalho inspirado em sua obra, tenho forte admiração pela mesma. O que aconteceu, Carlos?

Carlos Imbassahy
Ela recebera uma carta do Camilo Castelo Branco recomendando que procurasse meu pai, para o qual era o que maior conhecimento sobre sua (Camilo) literatura possuía. Ela foi lá em casa. Meu pai deu a maior atenção a ela, fez toda revisão de sua obra e a encaminhou para que o J.B.Lino publicasse sua obra psicográfica do Camilo. Não sei como, depois que meu pai fez tudo por ela, encaminharam-na para a FEB e lá, aproveitaram todo trabalho de meu pai e omitiram seu trabalho sob a égide dela, médium, ingrata, como condição para que a FEB publicasse sua obra. Entenderam?  Omitiram o nome de meu pai mas aproveitaram tudo o que ele houvera feito, segundo o próprio Camilo, na carta, maior conhecedor da sua literatura. Meu pai tinha (hoje comigo) todos os cento o muito livros de Camilo, publicados em três coleções distintas.

Observador Espírita
Sim.  O J. B. Lino era o editor?

Carlos Imbassahy
Sim, era o dono da LAKE. E tinha o Pedro Granja como responsável pelas impressões, na Revista dos Tribunais.

Observador Espírita
Lembrei. Quem dirigia  da FEB na época?

Carlos Imbassahy
A FEB era presidida pelo Wantuil de Freitas, absoluto.

Observador Espírita
 Eles devem ter dado fim na carta.

Carlos Imbassahy
Claro.

Observador Espírita
Mais um segredo de Fátima. Me refiro às cartas de Kardec sobre Roustaing.

Carlos Imbassahy
Esta carta estava nos arquivos do Dr. Canuto Abreu. Foi ele que nos mostrou.

Observador Espírita
Omitir e se apropriar da autoria de um trabalho é uma falta grave. Os médiuns escritores são emocionalmente frágeis diante desses ataques autoritários, cheios de insinuações e promessas. Isso merece ser registrado na história do movimento espírita.

PS.
O Dr. Carlos Imbassahy (foto), apesar de ser amigo de muitos diretores da FEB, em determinada época teve que se afastar da direção da revista Reformador, função que ocupou por muitos anos, por discordar da orientação roustanguista determinante entre o diretores e também inscrita nos estatutos da entidade. Wantuil de Freitas provavelmente tratou o assunto como um jogo de concorrência entre editoras, para ter exclusividade sobre as obras de Yvone Pereira, procurando não deixar nenhum rastro de identificação da revisão feita por Imbassahy. Ou então pode não ter sido informado pela autora da carta de Camilo e mesmo dessa revisão.

Para saber mais sobre o Dr. Carlos Imbassahy, leiam a biografia escrita por Carmem Imbassahy. Net Espírita.

Nenhum comentário: