segunda-feira, 16 de julho de 2018

Desencarnou Jacques Conchon


Desencarnou domingo (14 de Julho) no Rio de Janeiro, aos 76 anos, o nosso companheiro Jacques André Conchon. 

Jacques foi, aos 17 anos de idade, um dos fundadores do CVV- Centro de Valorização da Vida, em 1961, em São paulo. . O primeiro posto  do CVV funcionaria em 01 de março, de 1962, às 16 horas, em uma sala e um aparelho telefônico emprestado pela FEESP, na época de Edgard Armond.

Era engenheiro especialista em recursos hídricos e proprietário da Neotex, empresa de engenharia de consultoria ambiental e construção de estações de tratamento de água. Foi também fundador e dirigente da Aliança Espírita Evangélica e membro atuante da Fraternidade dos Discípulos de Jesus. 

Jacques vinha lutando contra o câncer e estava no Rio ministrando um curso de aperfeiçoamento para voluntários do CVV. 

Nós o conhecemos nos anos 70 aqui São Vicente, quando nos ajudou a implantar várias frentes de trabalhos humanitários, incluindo o posto do CVV de Santos. Era um grande entusiasta da Escola de Aprendizes do Evangelho, base educativa de trabalhares e de fundação permanente de novas casas espíritas.
ANTENADO E SERVINDO SEMPRE.

Jacques André Conchon era um ativista incansável e inquieto. Sempre esteve antenado com as mudanças que poderiam gerar sofrimento humano e também oportunidade de servir e ajudar os que não se adaptam a essas mudanças. Nesse mais de 50 anos , ele e alguns companheiros inventaram e reinventarem o CVV várias vezes quando sentia que poderíamos ampliar o nosso raio de ação. Foi assim quando liderou a expansão dos postos, criou os estágios nos plantões, implantou o role-playing para treinamento, desenvolveu os Cursos de Aperfeiçoamento, o Caminho de Renovação Contínua, enfim, todas as renovações pelas quais tivemos que passar. O mesmo aconteceu na Aliança e na FDJ ao criar as apostilas de aulas e o cursos de aperfeicoamento.

Nos últimos meses estava bem feliz por que o CVV conquistou o número 188 ( de ação nacional gratuita) e que chegamos ao posto número 100.

Agora, já bem doente e sem a sua e nossa companheira Suely, atuava nas redes sociais gravando vídeos no YouTube com a ajuda de um neto. Gravou o último vídeo a semana passada.

Nunca esqueceu a primeira instrução dada a ele pelo Comandante Edgard Armond, sugerindo num bilhete e num recorte de jornal sobre suicídio a criação do CVV :

"Para quem quer servir esta é uma ótima oportunidade".

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/07/morre-aos-76-um-dos-criadores-do-cvv-centro-de-prevencao-ao-suicidio.shtml

sábado, 28 de abril de 2018

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Nossa revolução


O Brasil está vivendo a sua Revolução Francesa. Simbolicamente, nossa Bastilha já caiu , por causa da sociedade de transparência, onde não é mais possível esconder nada. Temos todas as facções com seus grupos de esquerda, centro e direita, bem como seus extremos em busca dos seus ideais.

Todo país contemporâneo que atinge a maioridade política passa por essa dolorosa crise republicana, que divide águas, em todos aspectos. Se superamos essa barreira, finalmente seremos maduros como sociedade e nação. Outras crises virão, mas essa é especialmente decisiva porque define realmente a nossa vocação e o nosso destino, como aconteceu com demais que tomamos por modelo.


Gravura feita esta semana por um jovem aluno de ensino médio de uma escola pública.

quinta-feira, 29 de março de 2018

O Além é uma festa


COCO, A Vida é uma festa, desenho da Disney-Pixel (Oscar de melhor canção) mostra que a concepção mitológica do mexicanos sobre a morte (herdada dos aztecas) esconde verdades sobre a a realidade do mundo dos Espíritos. É uma cultura milenar muito forte e que não conseguiu ser vencida por nenhuma concepção religiosa estrangeira. Os católicos espanhóis até que tentaram, usando inclusive o clássico "Crê ou morre", mas não funcionou. Para os mexicanos, mortos não são mortos e estão perto dos vivos, cada qual no seu grau de consciência e luz. A história se passa na Terra e numa zona purgatorial onde habitam milhões de almas errantes (ainda presas à matéria e com pendências morais) e que dá passagem para as esferas definitivas da Vida Superior, para os resolvidos. Tudo muito bem contado, com arte e bom humor. Show!!!



segunda-feira, 19 de março de 2018

Um novo mundo, com novas pessoas.



https://www.facebook.com/2036alemdatalimite/

http://edconhecimento.com.br/?livros=2036-uma-jornada-apos-a-data-limite


Personagens construindo um novo caminho e um novo mundo

Nós só realmente aprendemos as coisas quando elas são testadas nas situações pessoais do dia a dia, em contato com os nossos semelhantes. Todos estamos numa jornada para o futuro, onde seremos felizes e realizados, se estivermos mudados. Caso contrário, o futuro não vai chegar e ficaremos estacionados e infelizes. Mesmo que o mundo sofra mudanças drásticas pelas guerras, destruição ambiental e catástrofes, se não mudarmos, apenas seremos tragados pela dor que vai adiar e nos cobrar a mudança que não fizermos, com mais dificuldade e rigor.

Foi esse pensamento que nos motivou a escrever “2036, uma jornada além da Data Limite”.

Lemos muitos livros, frequentamos escolas e coletamos muitas informações, durante muitos anos, sobre essas mudanças pelas quais o mundo e os seus habitantes estão passando e vai passar. A mudança é de via dupla: nossa mudança interna e a mudança externa.

Não adianta fazer abrigos e acumular coisas materiais para sobreviver. Se sucumbirmos interiormente pelo medo, pela agressividade e pela depressão, de nada servirão os alimentos, roupas, cobertores e os remédios. Nossa alma tem que sobreviver, em todos os aspectos, incluindo a nossa roupa corporal. Não é o contrário. Se ficarmos vivos, mas espiritualmente indefesos e transformados, seremos presas fáceis, por exemplo, para a loucura e o suicídio. E não seremos salvos.

E um momento grave e diferente da jornada humana. Os personagens desse livro sobreviveram ao cataclismo geológico é às guerras, mas ainda buscam a sobrevivência da alma, pois o inimigo espiritual ainda está presente e pronto para dar o golpe derradeiro da perdição e do desterro. Em 2036, jornada além da Data Limite, eles estão vivos mas ainda continuam sendo testados se vão ficar ou se ser banidos da Terra. A mesma Terra que receberá almas renovadas e que vai aos poucos mudando a sua natureza de expiações e provas para um mundo regenerado e feliz, mesmo ainda estando longe da perfeição.

segunda-feira, 5 de março de 2018

Ficção profética


http://edconhecimento.com.br/?livros=2036-uma-jornada-apos-a-data-limite

O QUE VOCÊ FARIA se o seu País fosse destruído por um cataclismo, ficasse sem a sua família, seus amigos, completamente perdido e sem chão. Isso aconteceu no mundo inteiro em 2036. Essa é a história de um pequeno grupo de brasileiros tentando enfrentar e superar a tragédia que mudou totalmente os rumos da humanidade.

Nessa páginas você encontrar um Brasil totalmente diferente, nova divisão politica e territorial, novos vizinhos nas fronteiras, nova base de convívio e governança.

Seres terrestres vão viver e estudar na Lua. Tem também a presença do Astro Intruso e sua influência higienizadora no planeta.



sábado, 17 de fevereiro de 2018

MOMENTO GRAVE

A Federação Espirita Brasileira, como órgão de representação coletiva jamais deveria permitir que pessoas, quem quer que seja, tenham destaque, preferências e privilégios em seus quadros, eventos e publicações, exatamente para evitar que as posturas particulares dessas pessoas possam ser confundidas com a imagem desse órgão federativo e sobretudo da Doutrina Espírita. A FEB não tem, nunca teve e nem deveria ter a seu serviço médiuns, oradores nem articulistas oficiais. Vivemos um período difícil em nosso País, de polarização e exaltação de ânimos e uma entidade com a FEB jamais pode servir de instrumento para embates e provocações ideológicas. Isso obviamente vale para as instituições regionais e segmentadas que seguem a FEB como modelo.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Estação Amizade no Fronteiras da Ciência




Dia 3 de dezembro Estação Amizade foi tema do programa Fronteiras da Ciência, da UNISANTA, que entrevistou o educador Dalmo Duque sobre educação emocional e prevenção do suicídio.

sábado, 18 de novembro de 2017

RARIDADE DE 100 ANOS



Uma rara foto da inauguração do Centro Espírita São Luiz, em São Vicente, SP, às 15 horas de sábado, 25 de agosto de 1917. A instituição beneficente, foi fundada no domingo, 12 de agosto de 1917 e mantida pelo famoso médium de efeitos físicos Carmine Mirabelli.

ESTRANHO FENÔMENO DE BILOCAÇÃO. "Conta-se que certa vez ele estava, com um grupo de pessoas na Estação da Luz em São Paulo e pretendia viajar para Santos. Um pouco antes de o trem sair ele desapareceu, para assombro de todos, sendo cientificada a sua presença em São Vicente, mais tarde, por telefone, ficando provado que ele foi encontrado na cidade que distava 90 Km da Estação da Luz, exatamente dois minutos após o seu desaparecimento". Fonte: Coleção Carmine Mirabell- Federação Espírita do Rio Grande do Sul. Editora Francisco Spinelli.

domingo, 5 de novembro de 2017

Você não é importante


Importante é o seu filho, irmão, seu vizinho, seu colega de trabalho e de escola, o passageiro que está ao seu lado, seu professor, seu chefe, seu patrão, as pessoas que te atendem, o seu líder espiritual, o vereador, o delegado, o prefeito, o juiz, enfim, não é você. Se insistir em ser importante todas essas pessoas vão descobrir os seus sonhos e vão se sentir desimportantes. E então você nunca mais vai se aprumar na vida. Elas vão ficar de olho em você, te cobrando coisas cada vez mais difíceis e não terá mais tempo para cuidar dos seus projetos. Sirva a eles o tempo todo.É a melhor forma de se esconder e cuidar do seu futuro.




(Recado de um mentor)

domingo, 22 de outubro de 2017

domingo, 1 de outubro de 2017

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Ensino religioso em debate no STF



O ensino religioso ou confessional não é ilegal nem está fora dos padrões culturais. É histórico e tem profunda influência nas civilizações. Pode ser praticado em instituições privadas nas suas diversidades. Mas não deve ser praticado nas escolas públicas, cujo acesso é aberto à pessoas de todas as crenças e concepções. Isso seria uma violação do princípio do Estado laico. Mas aí tem uma questão ideológica importante a ser esclarecida. O ensino das demais disciplinas cujos conteúdos colidem com algumas crenças não deveria ser proibido também? Claro que não, pois o ensino, por regra e ética, não é proselitismo e, portando as ações tendenciosas e imparciais nas escolas não podem colocar em risco o livre acesso ao conhecimento curricular. A religião e as concepções ideológicas podem ser ensinadas não como doutrina e sim como conteúdo humanístico em todas as disciplinas ( história das religiões; ou da arte religiosa, por exemplo). Todo conhecimento tem seu aspecto ideológico e esconde algum tipo de intenção e interesse de quem o produz. Não há como negar e proibir. Mas daí liberar ou obrigar o ensino doutrinário tem uma enorme distância. Cabe à escola e seus conselhos, como comunidade, analisar, discutir e decidir democraticamente sobre a implantação ou rejeição curricular desses temas, bem como devam ser conduzidos curricularmente, em caso de adoção, sem violar os princípios constitucionais.

Ps. Por seis votos contra cinco, no dia 27 de setembro, os ministros liberaram a prática confessional docente no sistema de ensino, incluindo a escolas pública.

Obediência, fé e conhecimento


Trabalhadores e horas são uma das mais admiráveis simbologias ensinadas por Jesus sobre a relação entre o Criador e suas criaturas, quando estas últimas buscam a verdade como solução realizadora da Vida.

O trabalho são as tarefas na forma de provas e expiações que movem o Espírito para os degraus mais altos da evolução, enquanto as horas significam o tempo das existências no ambiente carnal. Este ambiente também é simbolizado na terra e nos ciclos agrícolas, sobretudo das vinhas, cultura primitiva que revela a essência da vida (a cepa).

Ao contar as horas nas quais o Senhor saiu para aliciar (despertar) seus trabalhadores, Jesus identifica os da primeira e da terceira hora como aqueles que aceitam natural e prontamente o convite, pois foram acostumados nesse regime disciplinar da sobrevivência. A marca desses primeiros tarefeiros é a OBEDIÊNCIA. Simples e humildes, operam docilmente sem reclamar e cheios de gratidão pelo trabalho alcançado e realizado. Historicamente, como lembrou Henri Heine, são Espíritos do quilate de Abraão, Moisés e todos os profetas do Antigo Testamento, servos incansáveis e de alta fidelidade. Trabalham sem reparar como o tempo passa e chegam ao fim da tarefa como se ela ainda estivesse começando.

Na segunda chamada o Senhor da Vinha convoca os trabalhadores da sexta e da nona hora, mais tarimbados, com as mãos calejadas e que não demonstram nenhum tipo de contrariedade e sofrimento, nem mesmo ao realizar as tarefas mais pesadas e difíceis. São resistentes e não se impressionam com nada que possa desordenar ou perturbar o serviço. Absolutamente nada pode fazer com que percam a concentração e o ritmo do trabalho, pois estão sempre atentos e vigilantes aos sinais de comando, bem como aos perigos e surpresas. Corajosos ao extremo, a marca desses servos é a FÉ. Destemidos diante das vicissitudes, não se deixam abater por nada e levam a tarefa até as últimas consequências, arriscando suas próprias vidas para salvar a colheita e ou proteger a vinha contra os inimigos. Trabalham sempre felizes e sorridentes, mesmo quando, por dentro, estão tristes e abatidos pelas provas. Heine lembra deles como os mártires da cristandade e os Pais da Igreja.

E por fim os  últimos os convidados, que encontram a vinha praticamente pronta para a colheita, quando os cestos já estão repletos, aguardando somente o esforço de levar os frutos para o consumo. Aparentemente é uma tarefa mais fácil, pois tudo de pesado e demorado já foi feito na colheita. Entretanto, nesse percurso, entre a fonte e a sede, surge o amargor da dúvida e da incerteza. Os trabalhadores se desgastam muito ao duvidarem da qualidade da uva e do vinho que ela possa gerar. São ágeis no pensamento e nas estratégias do comércio e se preocupam muito com a reputação da patrão e do produto que carregam. Sabem explicar cada detalhe que fez brotar as parreiras e as uvas e sabem dos efeitos que o sabor delas pode ter nos Espíritos com sede de vida e esperança. A vantagem é que também não ligam para as horas nem para o pagamento e trabalham apenas com o contrato da confiança e da boa vontade. A marca deles é o CONHECIMENTO. Conhecer e explicar os caracteres, as virtudes e as fraqueza do vinho a ser bebido, esses servos voluntários da difusão da Verdade estão sempre de prontidão, pois sempre estiveram disponíveis aguardando o chamado, a qualquer hora do dia ou da noite.  São na lembrança de Heine, os filósofos, cientistas e finalmente os médiuns e tarefeiros espíritas.





sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Terra arrasada e expurgos

Era o modo-revanche usado do pelos exércitos perdedores na Antiguidade, destruindo tudo que poderia ser aproveitado pelos vencedores, incluindo a vida de civis inocentes. Os nazistas fizeram isso ao verem seus planos de dominar e escravizar o mundo irem para o buraco, após a derrota na frente russa e na própria Alemanha. Uma semana antes as rádios e auto-falantes de Berlin anunciavam uma “terrível” e “indescritível” invasão dos Aliados, marcada por horrores e crueldades. Por isso, recomendavam incendiar as casas, a fuga desordenada e o suicídio das famílias que não podiam se deslocar. Repetiam durante 24 horas as instruções sinistras.

EXPURGOS E CONFUSÃO NO MUNDO ATUAL o revanche vem acontecendo há algumas décadas no mundo espiritual e grupos trevosos encarnados em algumas partes do globo. E tende a intensificar nos próximos 30 anos. Eles já receberam a sentença de expurgo e, não podendo resistir, vão estimular todo tipo de crimes e crueldades antes de partirem definitivamente. Não perder a fé nem a esperança. Orar e vigiar sempre. A TERRA SERÁ LUZ.

sábado, 22 de julho de 2017

Movimento e doutrina

O MOVIMENTO ESPÍRITA é social e não apenas doutrinário.

O que cabe no movimento social muitas vezes não cabe no universo doutrinário. E vice versa.

Mas nem por isso vamos deixar de ser espíritas e de cultivar suas boas ideias e práticas.

Nossas purezas e impurezas precisam se harmonizar dentro de nós mesmos e também aprender a conviver nos ambientes onde atuamos.

No mais, tudo é uma simples questão de respeito e tolerância.

La Sand

George Sand foi uma das personalidade mais controversas e polêmicas do século XIX, enfrentando preconceitos e quebrando paradigmas de comportamento. Dizem que ela teria sido amiga do Professor Rivail e que teria recebido dele, como presente, o primeiro exemplar de O Livro dos Espíritos na manhã de 18 de abril de 1857. 

Cem anos depois, desencarnada, Sand participaria da cerimônia de comemoração do centenário dessa obra ocorrida no mundo espiritual. 

 Amiga de Allan Kardec (segundo Chico Xavier) e das grandes personalidades culturais do século XIX agora tem sua autobiografia publicada pela editora unesp.

http://editoraunesp.com.br/blog/autobiografia-de-george-sand-ganha-edicao-brasileira-em-volume-unico

O mundo interno

A SOLUÇÃO E O SEGREDO. Tudo que existe externamente no Universo já está criado e resolvido. Nada pode mudar as leis da Natureza. Isso é fato absoluto. A única coisa que ainda não foi solucionada nem resolvida é a nossa natureza interna, que é um enigma e mistério a ser decifrado por nós e pelos outros, com quem convivemos. Sempre temos a chave para conhecer e decifrar o outro e nunca a nossa própria chave. Esse é o sentido das coisas e o grande segredo da nossa IMAGEM E SEMELHANÇA com o Eterno.
(relendo Edgard Armond, O Livre Arbítrio).

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Estação Amizade ganha selo Boas Práticas da Secretaria da Educação



13/06/17
Professor mantém projeto de prevenção ao suicídio em escola de São Vicente
Apoio emocional trata das questões sentimentais dos jovens; educador é voluntário do CVV há 30 anos

Ouvir os jovens e fazer eles se ouvirem é o trabalho do professor Dalmo Duque dos Santos, da E.E. Margarida Pinho Rodrigues, de São Vicente. Com o Programa Estação Amizade, entre palestras e rodas de conversa, o educador promove uma relação de aproximação e respeito entre os estudantes.

“O programa estação amizade é um programa de prevenção ao suicídio. Um programa de apoio emocional criado especialmente para jovens, que têm dificuldade de se comunicar, de se posicionar, de falar sobre os seus sentimentos, um programa temático que se concentra em questões sentimentais do humano em geral, mas especificamente dos jovens”, explicou o professor.

Para a aluna Sthefany Karoline Goes Santana, as atividades têm um grande impacto na vida dos adolescentes. “Eu acho importante porque a maioria das pessoas que sofrem com depressão e têm tendência suicida, elas não procuram ajuda abertamente. Então, um debate, uma atividade, levam essa pessoa a tomar uma atitude de procurar uma ajuda. Ela se sente acolhida”, disse.

De acordo com o professor, os alunos sempre manifestam confiança, melhoram, inclusive, o desempenho na escola. “Eles melhoram entre si como amigos, eles dão valor a essa questão da amizade e eu acho que esse programa reforça essa ideia de amizade, de confiança entre eles, de fidelidade, esses valores que para eles é muito difícil de entender”, disse.

Além dos debates e rodas de conversa, Dalmo é criador do blog Estação Amizade, que concentra informações para propagar a atividade desenvolvida por ele. “O objetivo é que mais pessoas conheçam, participem e articulem essas ações e com o blog eu consigo explicar como realizar a atividade na escola ou em qualquer lugar”, disse.

O educador é voluntário do Centro de Valorização da Vida (CVV) há 30 anos, é autor dos livros "CVV, 50 anos ouvindo pessoas" e Estação Amizade – Dez jovens tentados ao suicídio", ficção voltada para o público jovem e base do programa de ajuda emocional. Atua como voluntário do CVV desde 1980 e atualmente é membro do Conselho Diretor do Centro de Valorização da Vida.